Afinação do Pandeiro

Como aprender a afinar corretamente seu Pandei ro?

Esse é um ponto muito importante e muita gente erra nessa hora. Então vamos aprender e tirar todas as nossas dúvidas sobre a afinação do pandeiro.

Quando colocamos uma pele totalmente solta e sem pressão na madeira do pandeiro, o ideal é que ela desça de maneira uniforme. Por isso, se você usa um aro em que os parafusos são apoiados, isso significa que você precisa apertar os parafusos todos ao mesmo tempo para a pele; chegar no melhor resultado.

Neste tipo de afinação a lógica é bem simples: nós abrimos um parafuso, dando um exemplo uma volta inteira e o logotipo em seguida, vamos com uma chave de afinação para o parafuso oposto ao que terminou de abrir. No caso do pandeiro, que é um círculo, nós traçamos uma linha reto até o parafuso na outra extremidade. O mais importante é que você nunca desça dois parafusos que estão ao lado do outro. Isso cria uma tensão excessiva em um lado apenas da pele e o aro fica torto, e a idéia é exatamente o seguinte: distribuir essa tensão para a pele descer por inteiro e não apenas um lado. Desse jeito nós evita que a pele fique torta.

Para tentar entender, você pode olhar o pandeiro na sua frente, você pode pressionar o parafuso que esta mais à sua direita com uma volta e depois seguir para o parafuso que esta mais à sua esquerda, dando também uma volta completa. Quando você desce em duas extremidades opostas e distribui a tensão, em seguida, você pode ir para o parafuso que está mais para cima, para o norte e o logotipo depois de afinar o que está mais abaixo, para o sul.

Por isso, chama-se afinação em cruz, pois quando você vai procurar os opostos se forma uma cruz imaginária. Esse modo além de fazer com que a pele vá descendo aos poucos de maneira uniforme, também faz com que a vida útil do pandeiro aumente, é muito comum no meio de uma roda ou show, pois as pessoas não são afinadas e ajustam seu pandeiro em apenas um botão, geralmente aquele que está mais próximo da mão que possui uma chave. Se você repetir esse ato durante dias ou meses, a pele ficará abaixo do lado que você abrirá e certamente entrará no aro. Em pouco tempo, naquele lado que você sempre faz, a pele fica encostada nas platinas e fica completamente desigual. O aro vai entortar e você vai perder o pandeiro. Por isso, prefira sempre abrir um pouco todos os parafusos, em cruz, do que abrir muito um único parafuso.

O que precisamos ter em mente é que esse é o caminho certo certo, mas a afinação certa não existe porque ela é completamente pessoal. Temos que ter em mente que podemos gostar de usar o pandeiro mais grave ou mais agudo, isso vem com o tempo. No começo ficamos perdidos e confusos perguntando aos outros se está bom ou não. Com o tempo, vamos perceber os contextos e tomar pequenas decisões. Se você estiver tocando com um surdo, que é um instrumento super grave, talvez não seja tão legal deixar uma afinação de pandeiro muito grave, pois esses filhos podem embolar um outro, e se misturar demais.

Então, se abrirmos os parafusos e esticarmos mais a pele, vamos cada vez mais nos separar da frequência do surdo. Isso faz com que eu defina melhor qual é a frequência de sepulturas e quando o pandeiro e qual é o surdo, deixando o som mais limpo e claro, então o sabre que a afinação também depende do contexto e do gosto. Pandeiristas mais modernos gostam de curtir a pele bem solta, pois o túmulo fica bem encorpado e faz com que o papel da bateria bumbo por exemplo, deixando o som de lado e completo. Muito bom para solos e sulcos mais modernos. Já em uma roda de choro a tendência é deixar a pele não tão solta, pois o tórax precisa ser definido rapidamente e rapidamente, para frasear a vontade e deixar a marcação bem clara e limpa.

Enfim, são milhares de situações e testar é sempre a melhor saída; perguntar também para músicos mais experientes pode ser um começo. O fato é que temos que estar ligados no todo para o nosso pandeiro agregar ao som e não atrapalhar. Uma coisa muito importante no pandeiro de couro é que deve sempre desafiar o instrumento depois de usarmos. Isso aumenta a vida útil dele, pois ele deixa sempre de lado, uma tendência que sempre precisa ser aberta a cada programa. Pois o mesmo com tensão nos parafusos, ou couro se afrouxa com o tempo. Isso faz com que você vá abrir cada vez mais a pele, até um dia perceber que ela perdeu e perdeu seu pandeiro.

Então, cuide bem do seu instrumento e deixe essa jornada de afinação ser cheia de dúvidas e testar os poucos que você sentir e perceber qual é a afinação mais adequada para cada contexto.

No Comments

Post A Comment